Roberto Waack aponta demandas empresariais do futuro

Posted on Abril 28, 2010

0


TAMARA COSTA, de Curitiba, para o Gestão C&T online
Edição de 27 de abril de 2010 – Nº 926 – Ano 9 (visualizar)

A inovação deve estar no centro da criação de uma sociedade sustentável. A análise foi feita pelo presidente da Amata, Roberto Waack, durante a 10ª Conferência Anpei de Inovação Tecnológica. “Estamos falando de novos paradigmas de sustentabilidade. Grandes oportunidades surgem em cima de produtos e serviços que se relacionam, essencialmente, a ecossistemas ameaçados ou ligados ao desenvolvimento social e efeitos gerais da globalização”, afirmou.

Os mapas tradicionais da inovação começam a tomar diferentes formatos e uma das tendências é discutir a contribuição dos negócios ao mundo das forças naturais para o vislumbre de novas oportunidades de crescimento econômico e desenvolvimento de produtos. “Um dos pontos centrais, quando falamos em planos de negócios para o futuro é perceber como o mercado valoriza mudanças de comportamento, informação e educação”, disse. Para Waack, as cadeias de suprimento devem estar em consonância com o mundo biológico para prosperar.

As linhas dos investimentos em sustentabilidade, segundo o palestrante, atualmente estão direcionadas a questões micro, como o desenvolvimento local. “Nos pequenos atos é que se observam oportunidades para pequenas empresas, tanto em desenvolvimento de produtos, quanto de processos e novos serviços”.

Para Waack, as demandas do futuro que garantirão o sucesso e a prosperidade das empresas estão relacionadas à gestão do espaço urbano, ecoconstruções, equipamentos ecoeficientes, mobilidade urbana, produtos florestais, planejamento do uso do solo, reciclagem e gestão de lixo, gestão ecoeficiente da água, entre outras áreas que partem de uma nova visão de mundo.

A apresentação foi pautada em pesquisas realizadas pelo grupo Sustentability, que tenta lançar uma visão sobre futuro e chegou à conclusão que a liderança da discussão de sustentabilidade, antes liderada por Organizações Não Governamentais (ONGs), passou para o domínio do mundo empresarial. “A América Latina surge como aquele pedaço do mundo onde se espera um papel das organizações como determinante na condução dessa viagem que o planeta está fazendo”, lembra.

Em seu discurso, o presidente também frisou a importância da reputação no alcance do sucesso empresarial das grandes corporações do futuro. “São as pequenas e médias, com inovações locais, que vão resolver os problemas da grande rede”, adiantou. Segundo ele, são as MPEs que garantem, não só produtos, mas, especialmente, a reputação das grandes corporações.

O presidente também ressaltou que sustentabilidade e inovação são indissociáveis e ambos os temas passam a fazer parte das novas métricas da humanidade. “A discussão tende a focar no aspecto sócioambiental, mas percebemos a inserção, cada vez maior, do mundo financeiro nesse jogo”, pontuou. Ele lembrou que os grandes investidores já estão reunidos para definir os elementos que orientam investimentos na área do agronegócio, especialmente do mundo florestal.

Biólogo e mestre em administração de empresas, Waack é presidente da Amata, empresa florestal cujo principal produto é a madeira certificada. Além disso preside o Conselho Internacional do Forest Stewardship Council (FSC – Conselho de Monitoramento de Florestas); e o Conselho Consultivo do Instituto para o Agronegócio Responsável (Ares), que reúne entidades do setor agrícola. Ele apresentou a palestra “Inovação sustentável feita em cooperação com as MPEs”, na programação do primeiro dia da 10ª Conferência Anpei, que acontece entre os dias 26 e 28 de abril, na sede da Federação do das indústrias do Estado do Paraná (FIEP), em Curitiba.

Informações sobre a Amata podem ser obtidas neste no site http://www.amatabrasil.com.br.